La Fura dels Baus

 

        La Fura dels Baus é um grupo de teatro catalão fundado em 1979 em Barcelona, conhecido por seu uso urbano do teatro, configurações incomuns e rompimento das fronteiras que separam platéia e ator.

        La Fura dels Baus é uma companhia em um permanente processo de transformação que, desde que foi fundada em 1979, abordou os novos desafios no domínio das artes do espectáculo. Seus shows ocasionais e eventos tiveram um impacto enorme nos críticos internacionais e audiências. Não seria exagero dizer que desde Ações (1983) La Fura dels Baus podem ser considerados como um grupo de culto para seus milhares de seguidores em todo o mundo. La Fura desenvolveu a sua própria linguagem, estilo e estética ao longo dos anos com base na criação coletiva.

        Mais de 2,500 performances em 4 continentes já foram seguidos por um público de mais de 3 milhões de pessoas. 

        Desde os anos 1990 a companhia tem trabalhado nas áreas de teatro, ópera digital, eventos maiores (macroshows) e filmes. Ela ainda continua evoluindo inexoravelmente, com experimentação e busca de novos caminhos.

        Em 2004 La Fura dels Baus estava comemorou seu 25 º aniversário.

        De 1979 a 1983, La Fura dels Baus trabalhou com teatro de rua, então evoluiu para um conceito de teatro que combina uma ampla gama de recursos. A principal contribuição de La Fura foi a abordagem de seus espetáculos, incentivando o público a ter participação ativa e adaptando o seu trabalho de palco para os próprios elementos arquitetônicos encontrados nos espaços de cada performance. Essa mistura de técnicas e disciplinas cristalizou-se no conceito de "linguagem furera", um termo que também tem sido utilizado para definir o trabalho de outras companhias de teatro. Accions (1984) foi o primeiro a usar "linguagem furera", seguido por Suz / O / Suz (1985), Tier Mon (1988), Verbo (1990), MTM (1994), Manes (1996), OBS (2000) , Matria 1-Tetralogía Anfibia-La Creación (2004) e óbito (2004).

        Desde o início de 1990, La Fura dels Baus diversificou os seus esforços criativos, que se deslocam para os campos de teatro com poética  digital, teatro e teatro de rua, realizando projetos de teatro contemporâneo, de ópera ou produção de grandes eventos corporativos. La Fura produziu a cerimônia de abertura para os Jogos Olímpicos de Barcelona de 1992, que foi transmitido ao vivo e assistido por mais de 500 milhões de telespectadores. Após este primeiro macroshow, empresas como a Pepsi, Mercedes Benz, Peugeot, Volkswagen, Swatch, Airtel, da Microsoft, Abolsut Vodka, Columbia Pictures, Warner Bros, o Porto de Barcelona, a Telecom Italia ou Micros Sun-sistemas, desde então, encomendam ao grupo macroshows promocionais para eles em todo o mundo.

        O conceito particular de espectáculos concebidos por La Fura dels Baus é mostrado em suas performances em grande escala, como "L'home del mil.leni", para comemorar o novo milênio 2000, que atraiu um público de mais de 20,000 pessoas em Barcelona e da Divina Comedy realizada em Florença, em frente mais de 35,000 espectadores, La Navaja en el Ojo, que abriu a Bienal de Valência, que atraiu um público de mais de 20.000 ou Naumaquia 1 - Tetralogía Anfibia-El Juego Eterno, que atraiu um público de mais de 15,000 espectadores no Forum de las Culturas de Barcelona.

        La Fura dels Baus criou sua própria gravadora, com um catálogo de 14 gravações, e também publicou seus trabalhos sob outros rótulos, incluindo Dro, Virgem e subterfúgios. Uma série de cursos e oficinas têm treinado atores em "linguagem furera". A companhia incluiu novas tecnologias em seus trabalhos, durante o ano de 97. Um exemplo é um mapa on-line que põem em apresentações simultâneas em diferentes cidades em um ambiente de teatro digital. 

        As incursões de La Fura dels Baus no mundo da ópera incluem Atlántida, de Manuel de Falla, o martírio de São Sebastião, de Claude Debussy, A Danação de Fausto, de Hector Berlioz e DQ Don Quixot em Barcelona, por José Luis Turina. O primeiro-ministro de "On the Marble Cliffs em Mannheim em março de 2002, baseado na obra de mesmo nome de Ernst Jünger, viu o primeiro uso da videoconferência como um elemento de estágio em uma ópera. No mesmo ano, a encenação do Fantástico Hector Berlioz Sinfonia de La Fura dels Baus foi mostrado pela primeira vez em Palermo, que foi uma releitura de uma obra clássica da música sinfônica. Em 2003, fase em Bochum, na Trienal de Ruhr, W. A Mozart A Flauta Mágica, relançada em 2005 na Ópera de la Bastille em Paris, e no Teatro Real de Madrid. 

        La Fura dels Baus trabalhou também com o não convencional e sempre áreas de risco do drama escrito ou estilo italiano de teatro, como o F @ ust 3.0, um programa que analisa a obra clássica de Goethe, Ombra, uma releitura de vários textos de Federico García Lorca ou XXX, uma versão de Filosofia De Sade no Boudoir, que encerrou em outubro de 2004 a sua turnê internacional, depois de quase 3 anos. 

        A companhia também tem trabalhado no campo do teatro clássico. O primeiro-ministro de uma versão de O Eurípedes com Mulheres de Tróia, dirigido por Irene Pappas e La Fura dels Baus, com música de Vangelis e cenografia por Santiago Calatrava, teve lugar em Sagunto (Valência), em setembro de 2001. 

        Fausto 5.0, o primeiro empreendimento La Fura para o mundo de direção filme estreou em 2001. Este filme, co-dirigido com Isidro Ortiz, tem vários prêmios, entre estes o Méliès de Ouro 2003 de melhor filme europeu no gênero fantástico.

        Naumon é um navio La Fura, um centro de artes performáticas flutuante que tem sido a portos como o Barcelona, Sardenha, Portugal, Beirute, Taipei, Newcastle ou Haifa carregando vários artísticas, educativas e culturais containers.Including mostra NAUMAQUIA, SUB, TERRAMAQUIA e Matria

        Em outubro de 2004, La Fura dels Baus fez a première de óbito, uma performance sobre a vida e a morte.

        A companhia está trabalhando com projetos de notícias e idiomas. Uma versão de "A Metamorfose de Franz Kafka, teve sua estréia no Japão em setembro de 2005.

        Em 2006 La Fura projetou um macro-show para inaugurar a Feira de Design em Milão. Ao mesmo tempo, eles fizeram o primeiro-ministro de suas duas novas óperas para a Ópera Nacional de Paris (P. Garnier) "Le Chateau de Barbebleu" e "Le journal d'un disparu"  em 26 de Janeiro de 2007.

 

1 | Shows usando a "linguagem furera" 

Estes shows são com base nas características que tradicionalmente têm definido o trabalho de La Fura dels Baus desde o início: o uso de espaços não convencionais, música, movimento, aplicação de materiais naturais e industriais, incluindo novas tecnologias e participação ativa do público no show. Esta abordagem ao teatro fez com que a companhia também conseguiu atrair o público que normalmente não são frequentadores de teatro.

 

2 | Eventos especiais 

La Fura dels Baus tem seu próprio método e sua estética provou ser uma atração irresistível para as instituições, agências de publicidade e organizações culturais de todo o mundo. Este apelo tem levado à criação de espectáculos em que a companhia tem desenvolvido seu potencial criativo para a comunicação. Em tais ocasiões, a "linguagem furera" é adaptada para grandes audiências e para as zonas grande palco, com enorme escala arquitetônica.

 

3 | Opera 

Ópera é como um "desempenho total", requer tratamento em profundidade de todo o potencial do grupo. Embora o lado musical da ópera tradicionalmente venha ofuscando os aspectos teatrais, nas últimas décadas, com base em abordagens como as adotadas pela La Fura dels Baus, o gênero tem sido alvo de uma profunda mudança. La Fura optou pelo uso de dispositivos audiovisuais, para as configurações de palco gerador e usos alternativos dos papéis dos cantores, atores e coros. La Fura definiu o seu estilo próprio no mundo da ópera.

 

4 | shows

As potencialidades oferecidas pelo estilo italiano de teatro também têm sido objeto de intensa experimentação por La Fura dels Baus. A companhia tem utilizado recursos, tais como vídeo, ou outros meios de comunicação e a criação dos seus próprios cenários, com base na sua experiência em outras áreas do teatro, para levar sua idéia para o drama escrito por encorajar o público a participar, embora neste caso com o conforto de seus assentos.

 

5 | novas percepções

A Internet tornou-se um local privilegiado para o trabalho do La Fura. A web, vista como a melhor maneira de chegar até as mais remotas partes do mundo, tem sido utilizada pela empresa para apresentar e executar obras de teatro interativo. O resultado, chamado "teatro digital", é a "soma de atores e bits". A criação de páginas web inovadoras e da integração da web em seus shows, como outro dos seus recursos dramáticos, têm colocado La Fura dels Baus na vanguarda da experimentação cibernauta.

 

6 | Música

A música é constantemente utilizada no trabalho de toda a companhia, a tal ponto que em várias ocasiões forneceu a estrutura para o espetáculo em si. Cada nova fase de produção por La Fura dels Baus gera um projeto musical paralelo que, eventualmente, assume a forma de um registro que está sendo produzido. O mesmo espírito de interrogação insistentemente dinâmica que permeia o trabalho da companhia é aplicada a seus conceitos musicais. A música de La Fura dels Baus é uma mistura, não só de estilos, mas também de intenções, as referências e as atitudes de oposição determinam  o conceito de som.

 

7 | Cinema

Fausto 5.0, o primeiro filme de La Fura dels Baus, é o resultado lógico de uma carreira que se destaca por seu trabalho com imagens. Mesmo que seja o seu primeiro filme, La Fura já foi envolvido no cinema em certas ocasiões, no passado, como Goya em Bordéus por Carlos Saura.

 

Fonte: http://livro-do-artista.webnode.com/pesquisas/la-fura-dels-baus/

Fotografias podem ser vistas no link Imagens, assim como vídeos podem ser vistos no link Vídeos deste site.